sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

feito vinho.

revira minha vida, mastiga minha alma, abre minhas pernas, arranca meus carinhos, marque meu seio, esqueça minhas sujeiras, engole minha violência, suga minha calma, adore meu ciúme, revolva meus gritos, nega meu silêncio, questiona meu passado, calcule meu sorriso, acolhe meus impulsos, cura meus pecados, limpe meu desejo, varra meu orgulho, lambe minhas lágrimas, abençoe meu amor -
me enreda delicadamente em você, me tenha indiscutivelmente sob suas asas: na praça, na cama, no diálogo, nos parágrafos, na vodka, na discórdia, descalço e amanhã.
sempre.

4 comentários:

Mariana de O. C. disse...

esse seu 'quase naturalismo'-verônica as vezes até me assusta, de tão avassalador. que saudade que eu tava daqui!

Marcelo R. Rezende disse...

Quando as entranhas falam.

Versos que eu fiz e ainda espero respota disse...

INTENSA...sempre!!

http://www.luismacedo.com/

Ilzy Sousa disse...

Tua intensidade sempre me afeta, é fato ♥