quinta-feira, 18 de julho de 2013

da tua cama.




vem,
vem pertinho de mim.

deixa eu pegar no seu cabelo,
deixa eu sentir teu cheiro:
cheiro tão teu
que chega a ser meu.

deixa eu te sentir em mim -
deixa eu falar assim,
deixa minhas pernas fazerem um nó com as tuas,
deixa eu curar tuas rugas -

deixa eu te ver todo dia e
ficar só na cama fazendo folia,
manda ir se foder essa rotina,
eu quero te amar até na cozinha e
bagunçar o teu topete,
tirar a meia do pé,
e qualquer rima que acoberte
tudo aquilo que vem depois do cafuné.

deixa eu inventar um verbo pra ti,
um verbo que expresse tudo,
"eu te amo" é pouco
pra tudo,
pra todo esse universo que sinto
quando você sorri.

4 comentários:

Anônimo disse...

Cara, que poema foda! Muito massa, serio...

Marcelo R. Rezende disse...

Que delicioso <3
Fiquei curioso quanto ao verbo que foi criado.
Beijaço, Vê!

Darlan disse...

Intenso. E o amor é mesmo isso!

Evelyn Colaço . disse...

Que delícia de texto minha querida e Verônica, teus textos são sempre tão gostosos.. Dá pra sentir o cheiro de um café quente exalando um apê, cheiro de algodão, de pele..
Demorei, mas voltei, e vim correndo aqui.

Beijos, querida poeta.