sábado, 28 de janeiro de 2012

sobre mudar.

sete foram as vezes que eu ignorei as lágrimas e me encolhi sufocada: de dor, de frio, de amor –

sobre a tua voz reverberando meus defeitos e a culpa me transformando num novelo, quase enforcada de tanto erro, choro engolido, luta em silêncio, tua mão enlaçada nos meus cabelos, teu pedido e a minha vida em degelo –

tudo porque eu esvaziei o peito e chorei de amor: só de amor, meu amor, só de tanto que eu preciso de nós dois, de tanto que eu me perdi nos teus carinhos, de tanto espaço que você já ocupa na minha vida mesmo que clandestina.

porque por você eu mudo as plantas do lugar, os quadros das paredes, minha cor de esmalte e o meu jeito errado de viver -

então fecha os olhos e fala das tuas fórmulas matemáticas que eu não entendo, de Tchaikovsky ou de Cisne Negro –

e esquece esse vazio.
porque eu vou curar tua necessidade e teu frio.

2 comentários:

Mariana de O. C. disse...

sobre mudar e sobre a reinvenção de um amor.

Marcelo R. Rezende disse...

Lindo, lindo.
Por esse eu te aplaudo.

Um beijo.