quarta-feira, 6 de julho de 2011

era uma vez...

ele arrancou minha blusa esperando roubar meu coração, e ele nem ao menos estava sóbrio - mas ainda continua me chamando de linda.
ele me acorda com o seu socialismo de quinta, eu lhe dou tapas no meio da avenida, ele torce para o Coritiba e eu pegaria uma pneumonia só pra ouvir ele falar de hardcore enquanto eu me preocupo com a minha maquiagem provavelmente borrada.
ele canta Raimundos por telefone mas eu não ligo muito agora: descobri que o sorriso dele é lindo. é porque aquele jeito dele de largado tavlez combine com os meus saltos 11, é porque ele é de Libra e vermelho é minha cor favorita, é que o passado dele não me importa e a lua sorria enquanto ele me ensinava a dar socos: mesmo que eu tenha pavor de quebrar a unha.
ele é músico e eu digo que bunda de mulher é gelada, ele diz ser louco enquanto eu tomo meu expresso médio, ele se preocupa sobre o que meus pais vão pensar de nós dois enquanto eu não sei onde deixei meu curvex, ele precisa de declarações amorosas enquanto eu leio Burroughs, o Nike dele é meio verde e as minhas mãos agora são frias, nossos nomes estão gravados sob seu pulso e eu odeio o fato de pensar nele demais.
nossa diferença é o meu número preferido e ontem a barba dele estava pro fazer: eu o trato com indiferença fingida e ele diz não conseguir mais fugir de mim. mas talvez nem eu consiga mais fugir dele. nosso beijo tem gosto de cigarro, quentão, café, chiclete e escuridão, e ele realmente é mais forte que eu. em todos os aspectos.

ele é o tipo de coisa que eu não consigo evitar... só não consigo mais evitar.

4 comentários:

Mariana de O. C. disse...

que saudade que eu tava daqui... e como é bom ler suas confissões, se sentir dentro da história e ver um recomeço! :*

Evelyn Colaço . disse...

''ele é o tipo de coisa que eu não consigo evitar... só não consigo mais evitar. ''

Ah e quando eu leio algo assim, eu me relaciono totalmente com minha vida, e vejo o quão posso pensar que so ua ditar as palavras, fico tão mechida com tudo isso. Fico tão boba em como isso meche comigo!

Saudades daqui minha querida Hiller. Estou atarefada com minha nova vida no teatro. Mas estou aqui lendo os textos em que estou atrasada!
Sempre admirada contigo! Te cuida, beijos de tua leitora fiel!

Raquel Fagundes disse...

Pra quê esperar semelhanças se ser diferente é bem melhor!
Não evite, pise leve, simplesmente pertença ao que você quer pertencer!

Estava bisbilhotando blogs alheios e achei o seu... Provavelmente esse será mais um elogio, então lá vai: muito bom!

Fil. disse...

Ah!!

Quando eu preciso, venho aqui. E sempre me serve, sempre me atinge a tua palavra ousada-livre-intima.

saudades... andei destruindo-me, tentando reciclar, falhando... morrendo.

Quando eu preciso, venho aqui.


off: mudei o endereço do meu blog, querida: antropofagismo.blogspot.com

^^