quarta-feira, 20 de julho de 2011

just be nostalgic...

 (tudo antes da sexta-feira, meu cachorrinho.)

é que eu não queria estar onde estou: ele tem gosto de vinho e nostalgia - o som da fumaça de cigarro no telefone, o coelhinho torto lá de cima, ele disse que eu tinha gosto de inverno e expresso, a sua íris era cinzenta na luz da praça escurecendo: ontem eu me abracei pela falta da pele quente, meu anjo.
ele não faz desaparecer as olheiras ao redor do meu poço fundo de melancolia mas consegue derrubar meu orgulho me dando saudades, e assim talvez o amor prisioneiro lá de mim fuja e me liberte e assim talvez eu te odeie e o bata até fazer ele ficar mais apaixonado; ouviu ? eu agora ando pelo Largo com gente humana. e de qualquer jeito, nem eu sei de mim amanhã.
lembrando do domingo, do vácuo literário que me persegue, dessa necessidade que eu não gosto, dessas tuas lembranças que ele alimenta, desse apagão sentimental, dessa saudade ácida de você - eu já passei de um tudo e o amor tá vivo, eu já te odiei e o amor ficou, eu já machuco os dedos de tanto apertar o colchão pela injustiça mas o amor respira, eu já vomitei minha vida com vodka e cachorro quente da esquina: mas o amor tá aqui, eu o olho nos olhos e não há tuas cordas pra me prender.
agora diz como eu te esqueço quando a luz da lua cheia entra pelas frestas da persiana azul, diz com que cara eu apareço lá na sexta, só diz como faz pra te fazer feliz, eu ando meio perdida de tanto sentimento fora de mim, que seu cansaço seja claro e eu não cometa o mesmo erro que ainda me rasga, que você me enxergue e eu sinta somente o que você merece... somente o que você merece.
então diz que as minhas noites mal-dormidas são feitas pra existirem do teu lado e que a janela se abra pra luz, pro sol, pro meu tato que se cega pela falta do teu gelo em mim.




eu sei que alguma coisa minha, em você ficou guardada 
como num filme mudo antes da invenção das palavras.

3 comentários:

Isabela Nunes Costa disse...

Eu venho perdendo meu sentimento. Me tornei fria para esquecer e conseguir fingir um meio sorriso.
Não sei se o meu caso é o mesmo que o teu, mas que os sentimentos são semelhantes eles são!
Eu penso que não chegarei a entender como você passa tanto sentimento, sinto muito mais coisas lendo tuas palavras do que vivendo em toda essa minha monotonia!
Continue a doar tanta emoção à esse coração já dormente pela dor.

Mariana de O. C. disse...

estou sem palavras. :T, mas deixo o trecho que mais me arrepiou:
" eu já passei de um tudo e o amor tá vivo, eu já te odiei e o amor ficou, eu já machuco os dedos de tanto apertar o colchão pela injustiça mas o amor respira,"

Ilzy Sousa disse...

E eu parei tudo: de comer, de mexer em qualquer outra coisa e talvez até de respirar só pra poder ser apenas eu e tuas palavras.
Sinto tua falta e nunca te toquei, sinto tua falta pq parece que te conheço sempre, que te tenho em mim de um jeito estranho.

Continua sempre me narrando desse jeito que eu amo e eu não vou mais ser tão só ♥