terça-feira, 7 de junho de 2011

monólogo de talvez.

fiquei com saudade, pode ? saudade daquelas de aeroporto: lugar-ficando-vago-pra-outro-ocupar.
talvez nem sinta mais raiva, não durmo, muito menos descalça, talvez eu nem queira tirar a saia - overdose de pele demais na minha me assusta.
ok, sejamos sinceros: tenho medo. sejamos claros: ainda não aprendi a amar direito, talvez eu até já conheça o fim dessa lenga-lenga de A Dama e o Vagabundo.
que isso só não dure, que amanhã de manhã tenham sumido essas mensagens de bom dia e o chokito branco lá no fundo do guarda-roupa. amém.

meu escudo só sabe me defender de indiferença, o que é que eu faço quando aparece carinho ?

e ainda tem esse deja vu infernal: só que com gosto de donzela indefesa - céus, isso é ridículo.

e nem mencionemos sobre o maldito futebol, o que me restou foi só torcer pra que o Coxa ganhe quarta-feira. e eu sou atleticana desde pequenininha, veja bem...

ok. talvez tudo isso esteja perdido mesmo.

3 comentários:

Luana' disse...

"sejamos sinceros: tenho medo. sejamos claros: ainda não aprendi a amar direito, talvez eu até já conheça o fim dessa lenga-lenga de A Dama e o Vagabundo."
Muito eu hsuahsu adoreei s2

Evelyn Colaço . disse...

''meu escudo só sabe me defender de indiferença, o que é que eu faço quando aparece carinho ?''

o carinho depara-se com a barreira fria, gélida, imlapidade, forte.
quem não vê, não sente, não sabe o que é, mas quem a vestiu, a construi se entende bem, preserva bem. os ataques das noites e dias deixaram-me fria, e construi meu escudo, quem sabe eu não cave uma brecha para o carinho. mas ele é tão pequeno, não sei se vale esforço.

sempre me dizendo, me escrevendo.
Obrigada querida Veronica!
meus beijos e abraços sinceros, sempre.

Mariana de O. C. disse...

"meu escudo só sabe me defender de indiferença, o que é que eu faço quando aparece carinho ?"

meu problema é EXATAMENTE o contrário disso ;~
talvez, por isso, eu tenha ficado sem palavras.