sábado, 1 de janeiro de 2011

vamos falar de fim.

quando a reflexão bate, aquela velha moral de história de que tudo é aprendizado me conquista e é inevitável sorrir, mesmo que haja dor conflito desprezo desconfiança rancor saudade ódio.
só que o brilho anda realmente apagado, desde o maracujá com gosto de vencida pelo cansaço, e por mais tempo que esperava; tudo escorre por dentro quando lembro de ti, e não escorrer de amor, mas sim de perda.
eu perdi no teu jogo, eu perdi a esperança, eu perdi a vontade de guerra.
e assim, você continua se distraindo com ressacas seguidas, e eu com alter-egos caprichosos.


e agora a necessidade do "detalhismo" se impõe; andamos terrivelmente afastados mesmo. e ainda assim, mesmo depois do tão comentado egoísmo e da arrogância hostil, eu desmorono quando te encontro em trilhas sonoras de propagandas inúteis de verão e em técnicas cinematográficas de rejuvenescimento modernas.


estou com um hábito irritante de não terminar o que começo a escrever.
e de me satisfazer com café solúvel.
e de tomar banhos demorados.
e de marcar a palma da mão com as minhas recém-adquiridas unhas.
e de me distrair com cretinos fedendo a cerveja para evitar lembranças boas que causam sentimentos ruins.

mas teus propositos ainda continuam causando reações contrárias das que realmente esperas por aqui. é.

e tuas desculpas não estão aceitas, por mais que eu saiba que não há um pingo de sinceridade em teus votos;
meu software ainda é desconhecidamente estranho para olhos frio e extremamente racionais como são os teus.

5 comentários:

Mariana de O. C. disse...

"me distrair com cretinos fedendo a cerveja para evitar lembranças boas que causam sentimentos ruins." PQP!
como sempre, amei. não gosto de ficar falando muito porque me sinto inútil! PFOKDAPOFAKSPOFK
parabéns de novo, obrigada de novo, e um bom ano pra vc!

Milena' disse...

ah, fins são mesmo uma merda. ou você se distrai ou você fica remoendo tudo que um dia foi bom e agora se volta contra você.
lendo seus textos me sinto com um cigarro na mão, cafeína na outra, ouvindo indie rock. hahaha você é realmente boa nisso.
:*

Marcelo R. Rezende disse...

Arrasou, como sempre.

dear sarah disse...

O fim se aproxima, mas é a vida, tudo que tem um começo um fim tem.. não importa como seja !


adoro aqui, bjs flor

Luana' disse...

é, temos que acostumar com essa vida clichê, tudo que começa, termina. Sempre foi assim e infelizmente, sempre vai ser assim, mas sempre temos esperanças, pq como o nunca não existe o pra sempre tb nao acontece ;x