quarta-feira, 13 de outubro de 2010

a mancha carmim confirma a minha suspeita, mas não leva embora a aflição que estes tempos me causam. - e o dia permanece do jeito que eu sempre gostei: céu limpo, sol radiante, vento nos rachando ao meio.
a cafeína de sempre, a maquiagem de ontem, a novidade deste último mês; a determinação some, a inquietude fica, o pensamento enlouquece.

eu me entreguei a você, ofegante e machucada, com o ego em frangalhos e a mão doída de tanto socar os empecilhos que apareciam no meu caminho; eu não tive tempo de passar os merthiolate nas feridas.

já falei que eu fico vulnerável com você e que simplesmente preciso da tua proteção ? é porque você espantou a minha coragem; se eu faço o que quero, o paraíso pode virar as costas.
e o pior. você tem tudo de mim; tem meus abraços, minhas palavras, meu ciúme, meu encanto, a facilidade de me descobrir por inteira; você me tem clara feito água e desprotegida feito passarinho recém-nascido. e eu tenho nada; eu tenho a insegurança e a tua paciência irritante; eu tenho o teu sorriso indecifrável e um punhado de apelidos bregas. eu só tenho o teu rosto adorável na cabeça e a covardia hostil me torturando.

nem os pedaços do meu coração eu tenho mais. eles já são seus.


for a lonely soul, you're having a such nice time.

5 comentários:

Mayana Carvalho disse...

essa inquietude me tomou o corpo. Sensação injusta, mas de certa forma é ate saborosa.

MAILSON FURTADO disse...

Belo post, PArabens...

Muito bom!!!

Acesse meu espaço...
http://mailsonfurtado.blogspot.com

Eu, ΞĐU disse...

Oi, Verônica... tudo bom?
Muuito bom o seu blog, suas idéias, seu bom gosto e sensibilidade. Parabéns pelo trabalho.
Estou te seguindo.
Beijos no coração,
EDU (http://edurjedu.blogspot.com)

GF disse...

Segue-me. selinho para ti no meu blog

Luiza disse...

foi conquistada. decifrada, acabou pra você. tome cuidado com as mãos nas quais foi parar. gostei do texto :)
beijos e obrigada pelos meigos comentários