quinta-feira, 23 de maio de 2013

passeio.

eu sou tão conflitante e bagunçada que às vezes até eu me canso.

ah sim. hoje será sobre mim mesma: ando cedendo tanto ultimamente que deu vontade de escrever egocêntrica - escrever, só escrever.
então hoje é sem meu amor, meu anjo ou meu lindinho.

to perdendo meu orgulho, eu sei. só não sei se é porque tá chegando minha tpm, se hoje ainda é quinta-feira ou se só porque tá fazendo frio.
só não sei como eu fico comigo mesma: ora pareço perto, ora pareço tão longe.

há um tempo ando divagando bastante sobre o significado da palavra 'pureza' - e alguns com certeza saberão do porquê de logo essa palavra. conclui que algo puro é contrastante, extremado, polarizado: aquilo que é diluído e fraco deixou de ser puro pra tender à neutralidade, ao nada.
não sei bem se essa conclusão está realmente certa, mas pra mim, fez sentido. e, seguindo essa linha de raciocínio, acho que o problema todo começou quando me faltou pureza. é. a vela deveria ter apagado. ando diluída demais. e, pior: to aprendendo a conviver com isso. pior, melhor, sei lá. não sei. porque sim. porque não. é. pode ser. tá bom assim - até minhas respostas andam genéricas, como você mesmo sempre diz.
e eu sei que era só pra falar de mim e sei lá mais o que, mas eu nunca consegui deixar de ser pessoal demais mesmo.

de qualquer jeito, eu fico hostil pra mudança mesmo.

e é.
mudei.
agora coloco brinco antes de sair de casa e quase que exijo que tenham o poder de ler meus pensamentos.
mudei.
melhor pro outro - só não sei se melhor pra mim mesma.
a primeira pessoa deu lugar pra quarta - bem aquela foto, capa do álbum solo do marcelo camelo, eu acho: sou nós. só. a pureza de todo o sentimento que eu tinha, foi tudo pro amor e me largou aqui, vivendo num corpo, numa vida que é feita de dois. nós dois. nem meu e nem dele: nosso. e de tão nossos às vezes perco o rumo, me esqueço.

queria às vezes deixar de ser tão intensa e extremista assim.
às vezes sinto falta de qualquer coisa mais ou menos.
e aí é que a pureza dá as caras.

talvez eu tenha me equivocado quando disse que tudo isso começou quando perdi a pureza: talvez tudo isso tenha começado quando comecei a te amar puramente - parece sempre a primeira vez, todo dia: a paixão não passa.

a única certeza dessa vez é que sou feita de amor, afinal.
puro, purinho.

e com uma certeza mais um sentimento tão vívido assim, eu to em casa. to sendo eu mesma.

na verdade, eu nem sei mais porque comecei tudo isso.
merda.

eu sou tão conflitante e bagunçada que às vezes até eu canso.

3 comentários:

Rapha Barreto disse...

Todos temos conflitos com nós mesmo, mas ser feito de amor é maravilhoso.
Adorei.

Beijos e ótimo final de semana.

http://sonhosdeumamadrugadadeinverno.blogspot.com

Brunno Lopez disse...

Eu nunca procuro te entender em seus textos, pois cada um pode ter sua própria realidade lendo as mesmas letras.
Prefiro apenas lhe respeitar e agradecer por outras visões emocionais que sempre oferece aqui.

Conflitante e bagunçada são adjetivos que podem representar um charme me sua personalidade. Não se canse.

Anônimo disse...

Amor é luz acesa.