quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

desconstruindo.

(escrito em 11 de dezembro, quando ainda era difícil de respirar.)


vamos falar sobre canalhice – egoísmo com quem você ama não presta: não só sob os olhares padrões monogâmicos ocidentais, mas pro dia seguinte que você sabe que de qualquer jeito chega.

vamos falar sobre finalmente dormir enquanto ouve-se história sobre lobos: que esse amor não seja mais um que doa – e amor errado, eu nunca escondi de ninguém, eu amo torto, eu amo desequilibrado e orgulhoso: só vê que essa história de machucar e não ser a machucada é nova pra mim. então depois de ter ouvido e lido só pra você, veja assim público: me desculpa. e veja bem que se fosse antes eu até me orgulharia assim de fazer outro sofrer, mas o problema é que eu te amo. o problema é que eu te amo demais, então não me culpa por sentir esse buraco no meio do peito.

portanto, vamos falar sobre amor. vamos falar da bagunça do meu coração e as atitudes às vezes egoístas que eu tomo pra tentar organizar tudo – e agora eu volto a repetir aqui: eu nunca fui perfeita, então se for pra me querer, me queira inteira. me queira com toda a minha bagunça e erros e falhas e buracos e abismos e defeitos. e não tão exatamente límpida agora, eu ainda assim te amo inteiro e humano: eu vou te querer no sol, na chuva, na praça, em casa, perdido ou presunçoso – você ainda não teve minhas lágrimas mas agora dobrou todo o meu orgulho.

então vamos falar de mim. vamos falar da minha falta de orgulho e de paz, desconstruindo o egoísmo toda noite contigo enquanto todos os poros do meu corpo clamam por você aqui comigo – veja bem, eu posso muito bem ser fria e egocêntrica e vadia mas agora você já me ensinou a tirar as roupas, a esquentar a pele e te amar assim crua e desarmada, então não me culpa por simplesmente me encolher em frangalhos toda vez que eu ouço a tua voz sem rumo.

3 comentários:

Marcelo R. Rezende disse...

Absurdamente lindo, quente e verdadeiro. Senti a dor, o amor e a verdade do sentimento, do egoísmo sendo desconstruído.

Parabéns, Verônica.
Beijo.

Mariana de O. C. disse...

realmente, deu pra sentir. se dia 11 era difícil respirar, hoje fica difícil pra quem lê...

Veronica Rodrigues disse...

E você sempre arrasando...