quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

desonestidades, afinal.

e ela vem andando.
como se pisasse em corações, ela vem e quer mais.
"você conhece pornografia ?
você sabe o que é anarquia ?"


e ela vem vivendo.
como se andasse em círculos, ela vem e destrói os sinais.
"você viu o amor ?
você ouviu a dor ?"


e ela vem jogando.
como se brincasse pela primeira vez, ela vem e se satisfaz demais.
"você resolveu apodrecer ?
você pagou pra ver ?"


ela quer um mundo,
ela quer o imundo.
"você sabe o que é perder tudo ?
você rasgou o escudo ?"


ela extremiza.
ela se extremiza.

ela fortalece.
ela se fortalece.


"não noticiaram na primeira página ? o furaçãoterremototempestade está a caminho, querendo destruir tudo o que vier pela frente."



se ela não tem piedade ?!
mais que isso;

ela não tem mais coração.

4 comentários:

Mariana de Oliveira Cotrim disse...

gostei muito desse!

Marcelo R. Rezende disse...

Quase uma discussão consigo mesma, um inquérito. Gostei muito.

Beijo.

Luana disse...

amei, super profundo *-*

Rívia Petermann disse...

Parece um solilóquio,adorei.
É como aludir a não levantar escudos - não há escudo que nos proteja da vida,ou que nos proteja de nós mesmos.
Perfeito!

Abraços!