terça-feira, 3 de agosto de 2010

quando a razão e a sinceridade se juntam.

acordar, assistir a minha novela da tarde, ler algum livro, mofar no computador, ligar o rádio e ir dormir. agora que as minhas férias estão acabando, estou tentando descobrir qual foi a finalidade delas; sim, porque eu estava tão necessitada de férias que até uma lista eu fiz, para conseguir aproveitar bem esse tempo sem colégio. não preciso falar que nem metade daquilo que está escrito na lista eu cumpri. enfim, de quê me serviu essas férias ? refletir, afinal; não houve tempo algum em minha vida que eu pensei tanto quanto nesse último mês. foram férias de recolhimento e introspecção,  de observar tudo o que eu venho fazendo e tentar encontrar correções para as minhas atitudes equivocadas.
e céus, como eu ando errando nesses últimos tempos! e de todas as pessoas que me cercam, a que mais eu venho afetando através dessas decisões precipitadas, sou eu; nunca eu me encontrei em tal estado de esgotamento como agora. eu arrisquei demais, eu me joguei demais, eu me iludi demais, eu sonhei demais, eu me dei demais; eu me dispus a morrer por alguém que me desprezava de tal forma que não é surpresa isso acabar do jeito que acabou, com você me destruindo com um trecho da música que era a minha alma e provavelmente dedicando-a para outra, sem contar com a sua indiferença dilacerante se mantendo firme até o fim. por merlin, como eu consegui me machucar tanto, por tão pouco ?! se eu parar e começar a recontar essa história para mim mesma, eu certamente iria rir eternamente alto; foi tudo muito ridículo. foi um amor extremamente platônico, onde eu preferi amar alguém que em suma eu não conheço e dá-lo uma invenção de personalidade perfeita para mim, do que ter um relacionamento estável e normal com alguém mais próximo. mas para o que eu era antes dessa história, não é surpresa que isso tenha acontecido; o orgulho, a frieza e a arrogância pareciam que imploravam por um abraço mais quente, para me deixarem cair nesse abismo de obstinação. esse amor deixou cicatrizes profundas, por ser tão descontrolado e irracional, mas se tem uma coisa que não se pode duvidar foi o tamanho desse sentimento; foi grande. ah, e como foi. grande, nobre e sincero, duvido muito que você encontrará alguém tão disposto a fazer o outro feliz, como eu te quis. e ainda quero. você não pode esperar que eu deite a cabeça no travesseiro e acorde no outro dia sem esse amor dentro do peito, assim, de uma hora para outra; eu ainda sinto ciúmes, eu ainda sinto saudades, e eu ainda penso nele (♪)... e eu sinto raiva de ti, por ser do jeito que é; dá vontade de bater na sua porta e te socar até a morte, pra te fazer aprender a parar de ser tão comum e aprender a corresponder os sentimentos dos outros. e, sinceramente ? eu ainda não quero te esquecer; eu só quero começar a viver bem sem ti, conformada que você é pequeno demais para amar, para me amar.
depois desse um ano e meio, eu vejo que eu lutei demais por uma causa que já era perdida.
e agora sabe o que eu pretendo fazer ? estudar mais física e biologia, retornar a alimentar de maneira saudável a minha cultura e, principalmente, me dar mais atenção. tudo bem, o narcisismo de antes era doentio, mas um pouco de amor-próprio agora não é ao todo ruim nessa altura do campeonato, afinal.
e the end.
eu não vou te desejar felicidades. penso que você me fez sofrer demais pra que agora eu te queira feliz.
a única coisa que eu te desejo é: pare de escutar música ruim.



do me a favour, and break my nose!
do me a favour, and tell me to go away!
do me a favour, and stop asking questions.

and she walked away, well her shoes were untied,
and the eyes were all red,
you could see that we'd cry, and i watched and i waited,
'till she was inside, forcing a smile and waving goodbye.

2 comentários:

Fernanda Hauptmann disse...

"foi um amor extremamente platônico, onde eu preferi amar alguém que em suma eu não conheço e dá-lo uma invenção de personalidade perfeita para mim, do que ter um relacionamento estável e normal com alguém mais próximo."
Lendo isso eu vi o que eu tenho que fazer,acho que você sabe do que eu estou falando!
Eu só sei que meu verso favorito de Do Me A Favor será sempre "Curiosity becomes a heavy load, too heavy to hold, will force you to be cold." É, por todas as perguntas que eu ja fiz.

Evelyn. disse...

Indiquei você pro Blog de ouro, hihi. Enfim, depois de ler esse texto vi que fiz a coisa certa.
Tá lá no ultimo post do meu blog. ;*