sexta-feira, 3 de maio de 2013

Desabafo III

(e não vai ser porque eu não te li antes que eu vou me arrepender.)

eu nem atiro mais minhas coisas na parede. eu não me agacho mais atrás da porta, me sentindo indigna de tudo.

talvez a angústia tenha começado quando eu não sabia mais diferenciar qual cheiro era teu e qual era meu e então você vem cheio de convicção dizer que já estamos virando um só; mas não sabe nem o que é que o meu "porque sim" quer dizer: eu tenho nojo dessa tua falta de tato.

antes eu não conseguia achar nome pra isso, sabe. mas talvez agora eu saiba que eu só nunca deixei de sofrer daquilo de sempre, desde aos beijos no meio do campo de futebol aos parques nos sábados cinzas até o amor entre Dostoiévski e café: indiferença -

você, que antes sofria de egoísmo mal-criado ou sei lá, me devolve toda essa responsabilidade que simplesmente não é minha com indiferença pura e crua; meu bicho-papão a cada crise - de existência ou raiva, não importa. e eu, burra mansa, ainda assim continuo me preocupando com o teu sono mesmo com a garganta apertando de tristeza.

não me culpe por tudo isso que eu simplesmente não te fiz.

só, por favor, vê se começa a prestar atenção em mim.


e não esquece que eu te amo.


2 comentários:

Rapha Barreto disse...

Lindo! Escrevestes muito bem, e não fique assim, apesar que a indiferença as vezes é boa.

Beijos e ótimo final de semana!

http://sonhosdeumamadrugadadeinverno.blogspot.com

Brunno Lopez disse...

Outro tiro certo de sua melhor arma.