quinta-feira, 5 de agosto de 2010

você é um capítulo da minha história.

e os sonhos ? você acordando na minha cama, eu me arrumando no seu espelho, nós dois sentadinhos ali na escada; o que eu faço com eles, agora que eu resolvi botar um fim nessa história ? eu os tranco em algum baú e jogo no fundo do atlântico, para que um navio pirata o encontre daqui uns 100 anos ? não sei não, eu me sentiria incomodada com alguém vasculhando os meus desejos atrás de alguma coisa valiosa, mesmo que fossem ultrapassados até lá; eu até posso falar alto, mas sobre o meu mundo perfeito, ninguém precisa ficar sabendo.
mas nós ainda não resolvemos a questão que importa!
ok, que tal eu manda-los todos por correio para você ? aí eu junto com o seu ex-presente, as músicas que me lembram você, as escassas lembranças tuas e o histórico de conversas do msn, e pronto, está tudo certo, vai ficar parecendo que você nunca se apoderou da minha vida. não, melhor não; você vai trata-los com tanto descaso que eu vou acabar sabendo da sua existência do mesmo jeito, tão indignada com a sua indiferença. ah, a sua indiferença; por causa dela eu não tenho mais coragem de ir falar contigo, você está com o status ocupado e é quase cem por cento de chances de você me responder lá no ano que vem.
ahh, já sei! junto tudo sobre você que se encontra por aqui, jogo um bocado de gasolina, querosene e álcool, e queimo tudo; vai, fala, sou um gênio. mas, pensando melhor, eu não teria tempo de fugir da fumaça que entrará em minhas narinas e me fará ter você dentro de mim novamente; você irá tomar conta do meu pulmão e talvez isso signifique um câncer bem pior que o causado por tabaco. e por falar em pulmões, como eu sinto falta de respirar você para dentro de mim, não como fumaça, mas como perfume, um perfume que deixa tudo ao meu redor mais bonito e brilhante, me fazendo viciar em você cada vez mais.
não não não, concentre-se, verônica.
é, eu poderia também alimentar alguma ave com tudo isso sobre você que existe em mim, então ela voaria para longe e eu nunca mais os veria de volta. ah, mas, com tanta desesperança que isso tem, provavelmente na hora em que a saliva do passáro entrar em contato com esse "alimento", as asas dele cairiam e ele começaria a piar alto, chorando para as asas dele voltarem; e o canto desse pássaro seria tudo o que eu sofri por você e esse som me paralisaria de tal forma, que eu só iria conseguir ficar ali, parada, vendo aquele animal morrer, e morrendo junto dele também, ouvindo outra vez todo o desespero que um dia eu já senti.

enfim, todo mundo diz que quando um amor se torna insalubre demais para nós, deve-se esquecer o amado e tocar a vida para frente, talvez atrás de outro amor mais saudável; mas, e os sonhos ? as lembranças ? os planos ? o que se faz com eles ? por serem características próprias do órgão pensante que possuímos, não podemos pega-los com as mãos, não podemos toca-los, mas obviamente eles estão mais presentes em nossas vidas do que certas pessoas; então, o que fazemos com tudo isso, quando uma relação não dá certo ? a pessoa pode ir embora, só que não leva com ela tudo o que se foi passado junto.
e enquanto eu tento dar um jeito nos restos que ele deixou aqui, eu começo a compreender o porquê de algumas pessoas se matarem, sufocadas por essa avalanche lembranças/sonhos/sentimentos/planos; porque, convenhamos, elas realmente sufocam, e nos deixam tão desesperados que parece que nunca mais vamos sair dessa nostalgia pegajosa.
afinal, qual é a receita do esquecimento absoluto ?

8 comentários:

anaa ' disse...

quando eu descobrir essa receita te falo, rs.
amei o texto, acho que o jeito é guardar as boas lembranças e as ruins, usar como uma lição, pra nao voltar a errar e tal. e pra esquecer, talvez o tempo ajude.
beeijo, lindo blog *-*

Sincere Fantasies. disse...

Acredito que o tempo é o melhor remédio pra esquecer... Mas também tem uma pitadinha de vontade de esquecer. Gostei muito, continue escrevendo ;)

Grafite disse...

que lindinho *.*

Evelyn Ceinwyn . disse...

''mas, e os sonhos ? as lembranças ? os planos ? o que se faz com eles ? por serem características próprias do órgão pensante que possuímos, não podemos pega-los com as mãos, não podemos toca-los, mas obviamente eles estão mais presentes em nossas vidas do que certas pessoas; então, o que fazemos com tudo isso, quando uma relação não dá certo ? a pessoa pode ir embora, só que não leva com ela tudo o que se foi passado junto.''

Ah Veronica, este texto é toda minha vda hoje, agora!
sim, também me pergunto nesses dias inconstantes qual o segredo do esquecimento absoluto?
E porque, por mais que o outro sevá, porque ainda restam tudo, tudo dentro de nós? Lembranças, músicas, fotos, aah tudo fica aqui, aqui conosco não é mesmo? Nos fazendo pensar incessantemente sobre o que fazer com toda essa tralha que já foi um belo presente.
Acho que demorará para essas respostas surgirem, ou talvez nem surjam, apenas sumam como esperamos que tudo isso suma e doa menos um dia.

ai, como tuas palavras parecem descrever m,eu momento, incrivel isso !

Beeijos<3

Mayana Carvalho disse...

o tempo, ainda sim, é a receita mais eficaz. encontrada ate entao..

Talita Oliveira disse...

Quando descobrir esta receita, compartilha aqui, tá?!

Adorei o texto e o blog!!

Beijos!

intense life' disse...

'mas, e os sonhos ? as lembranças ? os planos ? o que se faz com eles ?'
é a real prima. esse amor esse jeito de amar que sufoca agente, que vai acabando e nos cansando cada dia mais, só que também vicia agente, é tudo muito desgastante.

Sizií disse...

LIndo Texto.